Formação dos tempos e modos compostos

Home / Gramática / Morfologia / Formação dos tempos e modos compostos

Curtidas 0

Compartilhe

Ao nos referirmos acerca dos tempos compostos, torna-se indispensável compreendermos que se trata da junção de dois verbos: um representando o verbo auxiliar e outro ocupando a função de verbo principal.
Desta forma, temos que os verbos “ter” e “haver” integram a classe dos auxiliares, conjuntamente a um determinado verbo, expresso no particípio, ora denominado de principal. Diante de tal perspectiva, analisemos:

Em razão de tais pressupostos e, sobretudo, visando à ampliação de nossos conhecimentos acerca do assunto em questão, constataremos algumas das peculiaridades no que tange à conjugação destes, levando-se em consideração os modos indicativo, subjuntivo e as formas nominais, acompanhadas de seus respectivos tempos. Desta feita, apoiar-nos-emos no caso do verbo estudar.

Modo indicativo



Observações dignas de nota:

# No pretérito perfeito o verbo auxiliar fica no presente do indicativo.
# No pretérito mais-que-perfeito o verbo auxiliar fica no pretérito imperfeito.
# No futuro do presente o verbo auxiliar fica no futuro do presente, assim como acontece no futuro do pretérito.

 Modo subjuntivo
 

# Notas passíveis de atenção:

* No pretérito perfeito o verbo auxiliar fica no presente do subjuntivo.
* No pretérito mais-que-perfeito o verbo auxiliar fica no pretérito imperfeito do subjuntivo.
* No futuro o verbo auxiliar fica no futuro do subjuntivo.

Formas nominais

Infinitivo impessoal –
O verbo auxiliar fica no infinitivo impessoal:

ter/haver estudado

Infinitivo pessoal – O verbo auxiliar fica no infinitivo pessoal:

ter/haver estudado

teres/haveres estudado

ter/haver estudado

termos/havermos estudado

terdes/haverdes estudado

terem/haverem estudado

Gerúndio – O verbo auxiliar fica no gerúndio:

tendo/havendo estudado.

Voltar ao topo