Diferenças entre poesia, poema e soneto

Home / Literatura / Arte literária / Diferenças entre poesia, poema e soneto

A poesia pode estar em tudo: no poema, no soneto, na fotografia, nas artes plásticas e nas mais variadas manifestações artísticas

Curtidas 0

Compartilhe

O gênero lírico tem como principal matéria a subjetividade: é por meio dela que, ao longo da história da literatura universal, escritores expressam seus sentimentos, buscando sempre a empatia do leitor. Para isso, os poetas utilizam vários recursos estruturais com a intenção de despertar emoções, seja através da voz de um eu lírico ou através da voz de um eu biográfico. Entre os principais elementos do gênero lírico, estão a poesia, o poema e o soneto, termos que costumam causar alguma confusão. Que tal conhecer um pouco mais sobre cada um deles? Vamos lá? Boa leitura e bons estudos!

Diferenças entre poesia, poema e soneto

A poesia: Certa vez o escritor Oswald de Andrade disse a seguinte frase: "Aprendi com meu filho de 10 anos que poesia é o descobrimento das coisas que nunca vira antes". A poesia pode estar em tudo: em uma situação cotidiana, em uma paisagem, em uma fotografia, nas artes plásticas e em um poema. Isso significa que a poesia não é exclusividade da literatura, tampouco do poema. A poesia está associada a uma atitude criativa, e não a um gênero literário. É uma definição mais ampla, que pode estar presente em diversas manifestações artísticas. Responder à pergunta “O que é poesia?” nem sempre é tarefa fácil, deixando sem palavras até mesmo o experiente poeta Manuel Bandeira:

"Eu, que desde os dez anos de idade faço versos; eu, que tantas vezes sentira a poesia passar em mim como uma corrente elétrica e afluir aos meus olhos sob a forma de misteriosas lágrimas de alegria: não soube no momento forjar já não digo uma definição racional dessas que, segundo regra a lógica, devem convir a todo o definido e só ao definido, mas uma definição puramente empírica, artística, literária”.

Manuel Bandeira

Der Kuss (O beijo) foi pintado pelo pintor austríaco Gustav Klimt entre os anos de 1907 e 1908. Representa o “Período de Ouro” do artista
Der Kuss
(O beijo) foi pintado pelo pintor austríaco Gustav Klimt entre os anos de 1907 e 1908. Representa o “Período de Ouro” do artista

É possível perceber a poesia na imagem de Jesus morto nos braços da Virgem Maria. A Pietà é uma das mais famosas esculturas de Michelangelo
É possível perceber a poesia na imagem de Jesus morto nos braços da Virgem Maria. A Pietà é uma das mais famosas esculturas de Michelangelo

O poema: Elemento pertencente ao gênero lírico, o poema é um gênero textual que apresenta características que permitem identificá-lo entre os demais gêneros: é um texto composto em versos e estrofes, em uma oposição aos textos compostos em prosa (textos escritos em parágrafos, ou seja, em linhas longas). Um bom poema geralmente está carregado de poesia, mas há também poemas que recusam qualquer lirismo. São recursos muito empregados no poema a musicalidade, a repetição e a linguagem metafórica, essa última responsável por conferir ao texto maior subjetividade.

Memória

Amar o perdido
deixa confundido
este coração.

Nada pode o olvido
contra o sem sentido
apelo do Não.

As coisas tangíveis
tornam-se insensíveis
à palma da mão

Mas as coisas findas
muito mais que lindas,
essas ficarão.

Carlos Drummond de Andrade

O soneto: Considerada a mais longeva forma fixa de poema, o soneto tem origem na Itália, documentado pela primeira vez na obra do poeta Giacomo da Lentini, na primeira metade do século III. O soneto segue um molde literário rígido: é composto por quatro estrofes, sendo as duas primeiras quartetos (estrofes formadas por quatro versos) e as duas últimas tercetos (estrofes formadas por três versos). É importante observar também que todos os versos são decassílabos, isto é, todos possuem dez sílabas poéticas. No Brasil, Olavo Bilac, principal nome do parnasianismo, e Vinícius de Moraes, um dos principais representantes da poesia modernista da segunda fase, escreveram dois dos mais famosos sonetos de nossa literatura:

Ouvir estrelas

"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!" E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...

E conversamos toda a noite, enquanto
A via-láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"

E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas."

Olavo Bilac

Soneto de Fidelidade

De tudo ao meu amor serei atento
Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento
E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento

E assim, quando mais tarde me procure
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Quem sabe a solidão, fim de quem ama

Eu possa me dizer do amor (que tive):
Que não seja imortal, posto que é chama
Mas que seja infinito enquanto dure.

Vinícius de Moraes

Artigos Relacionados