Erico Lopes Verissimo

Home / Literatura / Literatura Brasileira / Geração de 1930 / Erico Lopes Verissimo

Erico Verissimo é o autor de “O Tempo e o Vento”

Curtidas 0

0

Compartilhe

Erico Lopes Verissimo nasceu em Cruz Alta, no Rio Grande do Sul, no dia 17 de dezembro de 1905. Filho de Sebastião Verissimo da Fonseca e de Abegahy Lopes, Erico Verissimo estudou no Colégio Venâncio Alves e, desde a adolescência, apreciava boas leituras de romances dos escritores Aluízio Azevedo, Joaquim Manuel de Macedo, Coelho Neto, Dostoiévski e Walter Scott.

Antes de se tornar escritor, atuou como bancário, sócio de uma farmácia e professor de literatura e de inglês.

Sua carreira como escritor iniciou-se em 1929 com a publicação de contos em revistas e jornais gaúchos. Aos 26 anos, Erico Verissimo casou-se com Mafalda Halfem Volpe, com quem teve dois filhos, Clarissa Verissimo e o escritor Luis Fernando Verissimo. Ainda em 1931, ocupou o cargo de Secretário de Redação da 'Revista do Globo', em Porto Alegre. No ano seguinte, atuou como diretor de edição da 'Revista do Globo' e da livraria da mesma instituição.

Fases das obras do autor

As primeiras obras de Erico Verissimo estavam relacionadas com o projeto literário da segunda geração modernista, entre os anos de 1930 e 1945, o qual direcionava a produção artística à reflexão quanto aos problemas sociais no Brasil advindos de sua intensa modernização.

Algum tempo depois, Erico Lopes Verissimo direcionou sua obra literária à investigação sobre a história e a cultura do estado do Rio Grande do Sul. Foi durante esse período que o autor publicou o romance "O Tempo e o Vento", no qual contextualizou o patriarcalismo arraigado na sociedade gaúcha do século XX. A referida obra é composta por três romances épicos e é considerada uma das obras mais conhecidas do autor pelo público.

Podemos dizer que a produção literária de Erico Verissimo passou ainda por uma terceira fase, em que abordou temas de cunho político referentes às guerras e ao preconceito étnico.

Em razão do reconhecimento de suas obras, Erico Verissimo foi para os Estados Unidos a convite do Departamento de Estado Americano para lecionar Literatura brasileira na Universidade de Berkeley, na Califórnia, entre 1941 e 1953, quando assumiu o cargo de Diretor do Departamento de Assuntos Culturais da União Pan-Americana.

Em 1969, Erico Verissimo recebeu o Prêmio Machado de Assis com a publicação da obra "Música ao Longe" e também o Prêmio Graça Aranha, com a publicação da obra "Caminhos Cruzados".

No dia 28 de novembro de 1975, Erico Lopes Verissimo faleceu vítima de um infarto, em Porto Alegre.

Obras do autor

  • Fantoche (1932)

  • Clarissa (1933)

  • Caminhos Cruzados (1935)

  • Música ao Longe (1935)

  • A Vida de Joana D'Arc (1935)

  • Um Lugar ao Sol (1936)

  • As Aventuras do Avião Vermelho (1936)

  • Rosa Maria no Castelo Encantado (1936)

  • Os Três Porquinhos (1936)

  • Meu ABC (1936)

  • As Aventuras de Tibicuera (1937)

  • O Urso com Música na Barriga (1938)

  • Olhai os Lírios do Campo (1938)

  • A Vida do Elefante Basílio (1939)

  • Outra Vez os Três Porquinhos (1939)

  • Viagem à Aurora do Mundo (1939)

  • Aventuras no Mundo da Higiene (1939)

  • Saga (1940)

  • Gato Preto em Campo de Neve (1941)

  • As Mãos de Meu Filho (1942)

  • O Resto é Silêncio (1942)

  • A Volta do Gato Preto (1946)

  • O Tempo e o Vento I (1948)

  • O Continente (1948)

  • O Tempo e o Vento II (1951)

  • O Retrato (1951)

  • Noite (1954)

  • Gente e Bichos (1956)

  • O Ataque, novelas (1959)

  • O Tempo e o Vento III (1961)

  • O Arquipélago (1961)

  • O Senhor Embaixador (1965)

  • O Prisioneiro (1967)

  • Israel em Abril (1969)

  • Incidente em Antares (1971)

  • Solo de Clarineta (Vol. I - 1973; Vol. II - 1975)

Artigos Relacionados

A geração de 1930 e suas manifestações poéticas

Facebook Twitter Google Plus