O lado poeta de Arnaldo Antunes

Home / Literatura / Literatura Brasileira / O lado poeta de Arnaldo Antunes

Um Som, álbum de estúdio de Arnaldo Antunes, lançado em 1998 pela gravadora BMG

Curtidas 0

Compartilhe

Arnaldo Antunes, nascido em 02 de setembro de 1960, viveu uma infância marcada pelo golpe militar de 64, o movimento contracultura e o surgimento do tropicalismo. Inicialmente, durante a caminhada entre a infância e a vida adulta, interessou-se pelo curso de Letras, o qual cursou na Universidade de São Paulo, mas não concluiu. Foi como cantor, com a banda Titãs, que Arnaldo se tornou conhecido nacionalmente, em 1984, com o lançamento do primeiro disco.

Em 1992 decidiu seguir carreira solo e se dedicou a algumas parcerias de sucesso, como os Tribalistas, com Marisa Monte e Carlinhos Brown.

Foi nesse novo caminho que Arnaldo Antunes se tornou conhecido por seus outros desempenhos extraordinários: poeta e artista visual. Como compositor é possível notar que as letras de Arnaldo exigem nossa atenção de forma peculiar.
Se ele se destaca com suas músicas, imagine as outras manifestações artísticas desse autor multimídia!

O poeta Arnaldo Antunes

Antunes tem uma escrita poética não dramatizada que consiste em agir sobre a realidade, em vez de se limitar a lamentar sobre a vida. Essa atitude se faz pela linguagem, não só verbal, transgredindo as questões sintáticas e criando combinações raras.
Esse estilo de produção criativa tem como influência o concretismo paulista dos anos de 1950 e esse tipo de poesia é conhecido como poesia concreta.

Façamos um breve apanhado sobre o que define esse tipo de poema:

→ Poesia concreta

Em 1952, a poesia concreta teve início com o movimento de vanguarda europeia. No Brasil, instaurou-se em 1956 com a “Exposição Nacional de Arte Concreta”, ocorrida em São Paulo, os autores destaques desse movimento são Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Augusto de Campos.

A intenção desses escritores era de propor uma nova linguagem literária, um estilo em que criar um poema era explorar todo e qualquer recurso da linguagem: aspectos gráficos e sonoros das palavras, imagens etc. A poesia concreta se consagrou como visual e não tradicional.

As características marcantes desses poemas são:

- o verso não é obrigação para que o texto seja um poema;
- os espaços em branco da página contribuirão para o sentido do poema;
- aspectos visuais, semânticos e sonoros das palavras são explorados;
- alteração na estrutura das palavras;
- possibilita múltiplas leituras.

O primeiro livro comercial de Antunes, Psia, publicado em 1986, já revela a influência do concretismo na criação literária do autor. Vejam a apresentação do livro escrita por ele:

Psia é feminino

            de psiu;

que serve para chamar a atenção

      de alguém, ou para pedir

silêncio.

   Eu berro as palavras

no microfone

       da mesma maneira com que

              as desenho, com cuidado,

na página.

   Para transformá-las em coisas,

em vez de substituírem

                                 as coisas,

Calos na língua; de calar.

        Alguma coisa entre a piscina e a pia.
    Um hiato a menos.
Arnaldo Antunes, 1986

Acompanhe algumas produções mais recentes e inusitadas:

É possível, após algumas leituras, demonstrar a pluralidade das combinações entre imagem e palavra que há nas obras de Arnaldo Antunes. Esses recursos utilizados pelo autor inovam a linguagem a partir de processos empíricos com a língua e suas variantes.

A diversidade na arte de Antunes não configura falta de estilo ou ausência de processo criativo, na verdade, revela uma singularidade resultante do diálogo entre recursos, tendências e modos de expressão variados.

Artigos Relacionados