Semana de Arte Moderna

Home / Literatura / Literatura Brasileira / Escolas literárias / Semana de Arte Moderna

Curtidas 0

0

Compartilhe

Convite da Semana de Arte Moderna
Convite da Semana de Arte Moderna

A Semana de Arte Moderna ocorreu entre os dias 13 e 18 de fevereiro de 1922 no Teatro Municipal, em São Paulo. Tal evento foi marcado pela apresentação de conferências, leituras de textos, exposição de pinturas, entre outras exibições relacionadas à música e à dança. Tal evento inaugurou a fase conhecida como Modernismo brasileiro. Antes, porém, de observar os pontos que demarcaram esse período na história da Literatura, veja algumas considerações:

Talvez na data do evento em questão é que esteja o foco de nossa discussão: por que 1922? Essa foi a época em que o Brasil comemorou seu primeiro centenário de independência. Independência efetivada somente no plano das ideias, visto que no plano político e econômico os fatos provavam exatamente o contrário. De um lado, o ascendente crescimento da elite econômica, representada pincipalmente pela classe oligárquica; e do outro, os marginalizados, vivendo à margem do descaso, sobretudo com o declínio da economia nordestina, oriunda da crise açucareira, em que o poderio econômico rumava para as bandas do eixo centro-sul do país.

Dessa forma, aos representantes artísticos que presenciaram tal contexto restava somente denunciar sua insatisfação. Denúncia essa que se fazia notável desde os antecedentes da Semana, com o chamado Pré-Modernismo. Digamos, então, que o intuito era o de implantar uma literatura autenticamente nacionalista, preservando o olhar do artista sobre a realidade que o cercava. Desse modo, para que você possa compreender tais intenções, observe um trecho extraído de uma das criações de Manuel Bandeira, intitulada

Poética
[...]
estou farto do lirismo comedido
Do lirismo comedido bem comportado
Do lirismo funcionário público com livro de ponto expediente protocolo e manifestações de pareço ao sr. diretor.
Estou farto do lirismo que para e vai averiguar no dicionário o cunho vernáculo de um vocábulo.
[...]

Observe agora as características que nortearam a geração de 1922 (constituída por Oswald de Andrade, Mário de Andrade, Manuel Bandeira, Cassiano Ricardo, Menotti del Picchia, Raul Bopp, Alcântara Machado, Guilherme de Almeida e Ronald de Carvalho).

* Liberdade formal, sobretudo materializada pelo emprego do verso livre (como bem notamos por meio do exemplo anterior), pelas formas de composição irregulares, pela pontuação subjetiva ou até mesmo pela ausência da pontuação;

* Propagação de um vocabulário voltado para um aspecto mais prosaico, aproximando-se da linguagem cotidiana;

* Ruptura com a gramática normativa;

* Ênfase na livre associação de ideias, retratando o desapego a composições formais.

* Postura crítica frente aos valores sociais, em especial à elite burguesa;

* Valorização da cultura popular, enfatizando o que realmente era “nosso”, com vistas a abolir tudo aquilo que fosse importado;

* Emprego do humor com vistas a proferir o instinto crítico, como, por exemplo, os poemas-piada e as paródias, que possuíam um tom irreverente, no intuito de criticar os moldes passadistas.

Artigos Relacionados