Provas de Língua Portuguesa em concursos e vestibulares: habilidades específicas

Home / Redação / Redação no Enem e em concursos / Provas de Língua Portuguesa em concursos e vestibulares: habilidades específicas

Habilidades específicas são requisitadas nas provas de língua portuguesa em concursos e vestibulares

Curtidas 0

Compartilhe

Concursos, provas de vestibulares, bem como em outros processos seletivos, o que se espera dos requisitos cobrados na prova de língua portuguesa quase sempre se torna um ideia unificada: aspectos gramaticais, pura e simplesmente. Em decorrência disso, passam-se anos e mais anos estudando para o aprimoramento de uma determinada habilidade e acaba se esquecendo das demais, tão importantes quanto. A tão temida redação? Ah! Ela nem se fala, haja vista que também integra o grande rol dos obstáculos, das barreiras a serem ultrapassadas.  Assim, caro(a) usuário(a), diante de uma realidade inquestionável, sentimo-nos na necessidade de promover a você alguns esclarecimentos, por sinal bastante úteis, os quais poderão contribuir  para o apaziguar dos ânimos e lhe proporcionar uma tranquilidade maior, talvez até um encorajamento mais consistente no momento de se preparar mais, estudar mais. Nesse sentido,

não deixando de priorizar os conhecimentos acerca dos fatos que norteiam a língua, gramaticais, portanto, mas também não fazendo deles o seu maior obstáculo, apegue-se a algumas considerações:

# As inferências linguísticas resultam naquela gama de conhecimentos de que devemos dispor acerca da leitura que fazemos do mundo, ou seja, a leitura dos fatos que norteiam a sociedade, sobretudo os polêmicos, e o cotidiano de uma forma geral. Outra questão que se “amarra” perfeitamente a tal aspecto diz respeito à bagagem cultural, intrínseca a qualquer um de nós, sendo que tal acervo resulta das leituras que fazemos, das informações que vamos acumulando com passar do tempo e com o conquistar das experiências;

# Como se sabe, recursos estilísticos são provenientes das habilidades de se trabalhar a linguagem, dessa forma, variando de emissor para emissor, eles existem e, quase sempre, são demarcados de forma intencional, levando em conta as finalidades discursivas que se pretende alcançar por meio da linguagem. Assim, torna-se necessário que saibamos interpretá-los;

# Falando em recursos estilísticos, o fato de que posicionamentos ideológicos neles se encontram impregnados não é de todo descartado, basta que tenhamos a habilidade necessária para identificá-los e, sobretudo, interpretá-los;

# Ainda nos reportando à questão dos posicionamentos ideológicos, é preciso que disponhamos de algumas habilidades para interpretar as regularidades das distintas variedades do português, haja vista que, como antes afirmado, nelas podem estar impressos valores sociais de toda ordem;

# Em se tratando da produção textual, impossível é não ter o manejo para organizar a composição do texto, fazendo valer os conhecimentos de que dispõe acerca dos tipos de sequências, sejam esses constituídos de distintas naturezas: narrativa, descritiva, argumentativa, injuntiva e dialogal.

# Saber identificar as diferentes vozes expressas pelos diferentes enunciados também resulta em grande eficácia, haja vista que esse jogo quase sempre se encontra presente, sobretudo em se tratando da finalidade que se deseja obter com a mensagem ora produzida;

# Não finalizando, mas, digamos assim... em última das instâncias, o fato de fazer uso, por sinal com propriedade, dos padrões da escrita e, acima de tudo, utilizá-los em função do gênero e da condição de produção do discurso resulta somente no êxito tão sonhado e almejado por todos que se prestam ao serviço de passar por algumas provações, como essas que acabamos de frisar.

Voltar ao topo